Em casa, na escola e no escritório, percebemos que há uma guerra do ar-condicionado entre homens e mulheres. Os homens costumam gostar da temperatura entre 21 e 23 graus Celsius. As mulheres preferem temperaturas acima de 24 graus Celsius. Não é frescura das mulheres. É fisiologia comprovada cientificamente. As mulheres realmente sentem mais frio do que os homens, segundo a fisiologista Clare Eglin. A explicação passa pelos receptores do corpo humano que respondem ao calor e ao frio. Os mais sensíveis estão localizados em nossa pele.

Segundo especialistas, se você medir as temperaturas internas do homem e da mulher, perceberá que as duas são parecidas. Mas há algumas diferenças na temperatura da pele, o que explica o grau de conforto que sentimos no ambiente em que estamos. Em ambientes frios, as mulheres apresentam maior vasoconstrição. O que isso significa? Suas veias se estreitam para reduzir o fluxo de sangue e evitar a perda de calor. Então, as mulheres tendem a ter mãos e pés mais frios.

Além disso, fatores como hormônios e gordura corporal também afetam o conforto térmico do ser humano. Homens não apresentam tanta vasoconstrição porque são normalmente maiores, têm mais massa muscular.

Diferentes estudos pesquisam o fato

A comunidade científica de todo o mundo busca respostas sobre essa diferença entre homens e mulheres. Segundo o site Xataka Ciencia, mulheres sentem frio e calor antes dos homens. Dessa forma, o organismo feminino detecta a mudança de temperatura, aquecendo ou esfriando a pele de acordo com a necessidade do momento, muito antes dos homens, pois o organismo delas foi biologicamente melhor preparado para isso.

A constituição corporal, ou seja, a quantidade de gordura que temos em nosso organismo também ajuda a regular a temperatura, bem como os hormônios: a testosterona, que é o hormônio masculino, colabora para que o corpo do homem produza e retenha mais calor. As diferentes pesquisas têm uma coisa em comum: a noção de que a percepção de frio e calor depende da fisiologia do ser humano.