Com o verão e as altas temperaturas, muita gente acaba ajustando o aparelho de ar-condicionado em uma temperatura muito baixa. Mas isso pode gerar problemas de saúde e economia. Você sabe qual é a temperatura ideal para o ar-condicionado?

O primeiro motivo para não deixar o ar-condicionado tão frio, mesmo no verão, é evitar a proliferação de doenças, que ocorre com maior incidência em locais fechados e com baixíssimas temperaturas. Isso porque o ar muito frio tem um efeito indesejado de ressecar as mucosas do nariz e prejudicar o sistema de defesa do organismo contra bactérias, vírus e micro-organismos nocivos.

Por isso, o uso incorreto do ar-condicionado pode aumentar a incidência de doenças como gripes, resfriados e infecções. Outro fator a ser considerado é o famoso choque térmico, aquela mudança brusca de temperatura sentida ao sair de um ambiente muito quente e entrar em outro muito frio – e vice-versa. Esse choque pode afetar a imunidade e deixar o corpo mais vulnerável à ação de vírus e bactérias causadores de infecções.

É importante ressaltar que o ar-condicionado não é um vilão da saúde. Pelo contrário: ele é um aliado. O aparelho de ar-condicionado é usado em hospitais e maternidades para aumentar o conforto térmico de recém-nascidos e pacientes acamados. Contudo, é recomendado bom senso.

Qual é a temperatura ideal?

Especialistas têm essa resposta na ponta da língua: de 23 a 26 graus Celsius. Essa temperatura proporciona o conforto ideal para as pessoas e ainda garante economia de até 50% na conta elétrica no fim do mês.

A gente sabe muito bem que cada pessoa tem a sua própria temperatura de conforto. E sempre tem alguém que sente mais calor do que o outro. Em ambientes compartilhados, como escritórios, por exemplo, sempre tem uma pessoa que liga o aparelho em temperaturas muito baixas para refrescar mais rápido o ambiente, e só depois configura a temperatura correta. Essa prática é ineficiente e ainda pode sobrecarregar o aparelho. Portanto, cuidado!