Seguindo as tendências e novidades das mostras de arquitetura de interiores espalhadas pelo Brasil em 2017, destaco as inúmeras possibilidades de mistura de materiais, texturas diferenciadas e iluminação inteligente para provocar resultados fascinantes.

casa cor 2017

Os pés-direitos elevados estão supervalorizados na tendência atual – e, aliados a uma iluminação bem-planejada, ao emprego de texturas diferentes e ao uso de peças retrô, trazem luxo ao ambiente. A ideia é trabalhar com as proporções, deixando o espaço decorado mais amplo, confortável e sofisticado.

Essa sofisticação ganha força com o uso de móveis clássicos combinados aos modernos e contemporâneos. E, juntamente com os tons de cinza e os clássicos tons neutros, que nunca saem de moda, trazem elegância aos ambientes. Os elementos vintage e retrô, com suas formas geométricas, acompanhados de cores e texturas em tons de azul, verde, amarelo e tons terrosos, também têm se destacado nessa infinitude de possibilidades criativas.

No paisagismo, esses mesmos tons terrosos aparecem em jardins internos e verticais, com texturas criadas a partir de plantas de tamanhos, formas e cores diferentes. Fique atento: essa tendência veio para ficar! Com um layout de conceito aberto e integrado, a ideia é trazer o verde para dentro da residência, dando frescor ao ambiente e tornando-o mais colorido e cheio de vida.

Novos elementos arquitetônicos e novas tecnologias aplicadas aos revestimentos têm o seu espaço nas mostras de arquitetura de interiores. Revestimentos que imitam mármore, granito e madeira aparecem com frequência para mostrar que, além de muito bonitos e variados, também são ecologicamente corretos.

Para quem gosta de novidades, a tendência é misturar materiais, abusar das texturas e caprichar na iluminação. Tudo isso sem se esquecer das cores atuais e das proporções certas, que certamente deixarão seu ambiente mais aconchegante e sofisticado.

Gostou dessa matéria? Fique de olho em nosso blog para ter acesso a conteúdos sobre decoração, arquitetura, climatização e muito mais.

Por Elenice Souza, arquiteta